Para navegar pelas várias páginas à sua espera, clique sobre os títulos!

sábado, 6 de fevereiro de 2021

INFOR-DIÁLOGOS na Rocha Treme-Treme

 VI.       Mais ferramentas de Cálculo

— Professor Byte, esta noite, para chamar o sono entretive-me a folhear aquele seu livro sobre os computadores. — Bit fazia assim uma tentativa para chamar a atenção de Byte que parecia ter entrado em meditação, calado que estava há mais de um quarto de hora. — Fiquei curioso com a imagem dum anúncio da IBM sobre uma das suas primeiras máquinas.

Byte, sem desviar o olhar da ponta norte da praia da Amoreira, murmurou: — Esta praia é duma beleza extraordinária! Já reparaste? — Um riozinho a desaguar aqui em baixo, proporcionando uma maravilhosa piscina marítima, um imenso areal dourado e, lá adiante, aquela rocha recortada em bico. Esta costa… aqui houve mão de quem não é deste mundo.

— É verdade, não me canso de admirar a natureza. — Concordou Bit. — Mas o anúncio da IBM, lembra-se?

— Deves referir-te à IBM 604 Electronic Calculating Punch, não é? Uma mudança radical no cálculo.

— Essa mesmo. — confirmou Bit. — A IBM anuncia que “tem a capacidade de produzir o trabalho de 150 engenheiros com Réguas de Cálculo”!

— Sim, foi uma revolução!

— Mas a Régua de Cálculo ainda era tão usada nos anos 50? — Espantava-se Bit. — É uma ferramenta tão antiga…

— Tens razão. — Concordou Byte. — Apesar de ter sido inventada aí por 1620 pelo matemático inglês William Oughtred (1570-1660). Concebeu-a inicialmente na forma circular e, posteriormente, na forma longitudinal.

 

— E o desempenho da tal máquina da IBM é medida em… Réguas de Calculo?! — Bit estava cada vez mais surpreendido. — Então ao longo de cerca de trezentos anos, não se registou qualquer evolução na área dos auxiliares de cálculo?!

— Quanto à evolução dos computadores, há vários desenvolvimentos, várias etapas que assinalarei mais à frente. — Byte, pigarreando a garganta. — Mas a Régua de Cálculo manteve-se em uso durante muitos anos. Eu próprio ainda a usei na universidade. Era portátil e… barata.

— Então não havia máquinas de calcular?

— Não na forma que actualmente as conhecemos. As primeiras electrónicas da Casio, fabricadas em série, apareceram nos anos 60. — Explicou Byte. — Só nos anos 70 é que a HP marcou posição no mercado com as chamadas “científicas de bolso”. Caríssimas…

— Mas a Régua de Cálculo superou a Pascalina! — Bit aproveitou para falar revelar os seus conhecimentos. — A máquina que Pascal concebeu para ajudar a contabilidade do seu pai.

— A Pascalina teve o seu sucesso. Foi a primeira construída em quantidade: 50 exemplares. — Byte pegou no tema e preparou-se para o estender. — Era muito engenhosa para 1642. Mecânica, claro! A electricidade só mais tarde é que foi descoberta. Somava e subtraía e, por repetição, multiplicava e dividia.

— O seu contemporâneo von Leibniz (1646-1716), considerado estar dois séculos à frente do seu tempo, aperfeiçoou a Pascalina com a sua Calculating Machine, que efectuava as quatro operações. Foi injustiçado pela sociedade. — Byte tinha um especial apreço por este cientista, tão prestigiado que fora, mas que morreu solitário e esquecido.

— Prefiro a Régua, essa não tem nenhuma engrenagem, apenas peças móveis. — Insistia Bit.

Voltando ao início da conversa, Bit concordou com a beleza da Amoreira. O rio e a boca da barra proporcionavam a aventura de combater ou aproveitar a corrente das marés.

— Já vim desde os Salgados até aqui com a ajuda dum bocado de cortiça. Só precisei de dar umas braçadas para sair da corrente antes de entrar no mar. — Orgulhoso, encheu o peito de ar. — Prof, sou um bom nadador, sabe? Aprendi nos pegos da ribeira e… na Poça d'Arrã.

Sem comentários:

Publicar um comentário