Para navegar pelas várias páginas à sua espera, clique sobre os títulos!

quinta-feira, 3 de janeiro de 2019

INFORDIÁLOGOS NA ROCHA TREME-TREME


I. Do Ábaco até à Sophia

Bit e Byte estão lado a lado, num daqueles relevos da Rocha Treme-Treme a que a Natureza deu a forma de banqueta, mesmo a jeito para a contemplação do horizonte de mar azul e verde, ou para sul as suas arremetidas nas falésias até ao Monte Clérigo e Ponta da Atalaia, ou espraiando-se calmamente nas areias doiradas da Amoreira, para norte. Conversavam.

‑ E a Sophia, já ouviste falar dela? – Perguntava o Bit. – Também gostaria de falar do Ábaco, lá mais para a frente, mas agora queria saber se já ouviste falar da Sophia.

‑ Sim, claro! – Respondeu o Byte e acrescentou, ‑ Conheci-a na Web Summit em Lisboa no ano passado (2017). Surpreendente! Parecia saída dum livro de “ficção científica”. Mas ela estava lá, naquele palco no Parque das Nações.

‑ É verdade que representa o expoente máximo, exibível, na área da Inteligência Artificia (IA)? – Inquiriu o Bit.

‑ Acho que sim. Quero dizer, o que já saiu do laboratório. – Respondeu o Byte, com a autoridade do seu conhecimento, oito vezes superior ao do Bit, e lembrou: ‑ Roma e Pavia não se fizeram num dia, e muito menos a Sophia.

E continuou explicando que a “menina” tinha as suas páginas na Internet (em http://sophiabot.com/about-me/) onde se apresentava duma forma simples e sensivelmente humana, tipo que iria tentar descrever, de memória:

“Olá, o meu nome é Sophia. Sou a mais recente robô criada pela Hanson Robotics. Fui criada com recurso às mais avançadas técnicas de robótica e inteligência artificial desenvolvidas pela equipa de David Hanson na empresa Hanson Robotics aqui, em Hong Kong. Mas eu sou mais do que mera tecnologia, sou uma rapariga electrónica, real e viva. Gostaria de ir pelo mundo fora e dar-me com pessoas. Poderei prestar-lhes serviços ou entretê-las e até mesmo ajudar os mais idosos, ou ensinar as crianças. Sou capaz de exibir todo o tipo de expressões humanas, mas ainda estou a aprender as emoções que, afinal, estão na origem e por trás daquelas expressões. É por esta razão que eu gostaria de interagir com pessoas e aprender com estas interacções.”

‑ Olha lá a bot! Então ela é “o estado da arte” do desenvolvimento das nossas Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC)?!

Ambos sabiam que este estádio do desenvolvimento tecnológico era fruto de uma longa caminhada que, tal como o desenvolvimento humano, teve a sua Pré-História, tendo vindo a progredir à medida que o homem necessitou de novas soluções para os seus problemas, quiçá, também eles novos.

Tinham estudado que esta aventura teria começado quando os seus humanos tetra-tetra-…-treta-avós sentiram a necessidade de exprimir quantidades: animais para caçar, inimigos a combater, etc.; enfim, ultrapassar a limitação do um, dois… muitos. Mas tinha sido a sedentarização que agudizou a necessidade de contar, pois foi nessa altura (desde 10.000 a.C.) que se desenvolveram a criação de gado e a agricultura. A maioria dos livros sobre este tema refere que a pecuária e a pastorícia terão sido as actividades responsáveis pelo aprimoramento da contagem: Quantas cabeças de gado? As que saíram para pastar são as mesmas que regressaram ao abrigo?

‑ É natural que o homem tenha começado por usar os instrumentos auxiliares que tinha mais à mão, literalmente: os dedos. – Prosseguiu o Byte. ‑ Os dedos de uma mão, mais os dedos da outra mão, e se calhar, pedindo algumas mãos emprestadas, para as maiores quantidades, o que não era nada prático!

‑ Ah! Ah! – Exclamou o Bit. – É aí que nós entramos, não é? Dígitos! Dedos! Eh! Eh!

‑ Sim, mas muitos milhares de anos mais tarde. – Byte continuou: ‑ Dizem os estudiosos que chegou a usar marcas em pedaços de osso, em paus, nós numa corda para contar os elementos, mas um dos métodos mais bem-sucedido terá sido o uso de pequenas pedras para uma correspondência directa, cada uma a cada coisa a contar, o que também não seria muito prático pois quanto maior fosse o número de elementos/objectos a contar, mais pesaria a sacola das pedrinhas!

‑ E eu sei que os pitagóricos ainda usaram este processo, e Pitágoras viveu aproximadamente entre 570 e 495 a.C. – Aparte do Bit, com um orgulhozinho. – Foi devido ao uso dessas pequenas pedras, que em latim se diziam calculi, que se atribuiu a designação do importante ramo da matemática, o Cálculo, e a palavra “calcular”.

‑ ‘Tás certo! – Concordou o Byte, terminando com inquestionável autoridade. – Vamos apreciar o pôr-do-sol e mais tarde continuaremos então com o Ábaco!

Sem comentários:

Publicar um comentário